quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Resenha A Teoria de Tudo - The Theory of Everything

O filme relata a biografia do físico teórico, cosmólogo e um dos mais consagrados cientistas da atualidade: Stephen William Hawking.

Aos 21 anos, Hawking foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica, uma doença incurável e degenerativa, que atrofia os movimentos musculares.

Todavia, o cérebro não parou de funcionar. E Hawking que, no momento do diagnóstico, foi informado que teria apenas mais dois anos de vida, aproveitou seu tempo estudando, desvendando os mistérios do universo e do tempo e, principalmente, vivendo.

Casou-se com Jane Wilde, na época também aluna de Cambridge, com quem conviveu por vinte e cinco anos e teve 3 filhos. Por meio dessa formidável película, temos a possibilidade de acompanhar a evolução dessa doença e como o astrofísico e sua família, sobretudo sua primeira esposa, conviveram com as limitações.

Sua história mostra-nos que tudo é possível quando tem-se amor, respeito e compreensão. Conhecer a história de Hawking motiva-nos a sempre renovarmo-nos, independentemente dos empecilhos que possam surgir, desestimula-nos a reclamar das circunstâncias. Além disso, ao observarmos sua tão dedicada Jane, aprendemos uma grande lição sobre amor, companheirismo, dignidade e cumplicidade. 

Hawking permanece vivo e desmistificando mais curiosidades, contrariando suas próprias teorias, inclusive. Publicou diversos livros, fundou o Centro de Cosmologia Teórica (CTC) da Universidade de Cambridge e, atualmente, dirige o Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica (DAMTP).

“A Teoria de Tudo” baseou-se na obra biográfica, escrita por Jane Wilde Hawking, e foi vencedor de dois Globos de Ouro: Melhor Ator (Redmayne) e Melhor Banda Sonora Original (Jóhann Jóhannsson) e recebeu cinco nomeações para o Oscar, das quais foi premiado com Melhor Ator.

Uma lição de vida! Depois de assisti-lo, não há como continuar sendo o(a) mesmo(a).


Resenha em Libras:



Assista ao trailer aqui!




2 comentários: